editor

Temer defende o ex-presidente Lula em viagem a Portugal

Decrease Font Size Increase Font Size Text Size Print This Page

Gilberto Costa

Correspondente da EBC  Lisboa

 

O vice-presidente Michel Temer defendeu hoje (14) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao ser perguntado, em sua viagem a Portugal, sobre declarações atribuídas ao publicitário Marcos Valério que relacionam o ex-presidente ao caso do mensalão. Em entrevista coletiva no Palácio de Belém, em Lisboa, após audiência com o presidente português Cavaco Silva, Temer lembrou que as acusações nunca foram apresentadas durante o processo.

O vice-presidente citou declarações do ex-procurador-geral da República, Antonio Fernando Barros e Silva de Souza, que leu ainda no Brasil. Segundo Temer, o ex-procurador-geral “registrou o fato de que, no início do processo, quando provocado, o cidadão Marcos Valério não chegou a mencionar, em nenhum momento, qualquer inter-relacionamento com o ex-presidente Lula”.

As declarações de Marcos Valério foram publicadas terça-feira (11) no jornal O Estado de S. Paulo, e teriam sido feitas ao Ministério Público Federal em setembro. Segundo o jornal, Valério disse a procuradores da República que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema do mensalão e o usou para pagamento de “despesas pessoais”.

Temer chegou ontem a Lisboa e hoje, além de Cavaco Silva, tem agenda com empresários em almoço na casa do embaixador brasileiro em Portugal, Mário Vilalva, e visita de cortesia ao ex-presidente Mário Soares. À noite, assiste à peça de teatro Herivelto como Conheci, com Marília Pêra. A apresentação encerra a Mostra de Teatro do Brasil em Lisboa, que integra a programação do Ano do Brasil em Portugal.

“A visita a Portugal se destina a revelar o apreço do governo brasileiro pelo governo português e pelo povo de Portugal”, disse Michel Temer, ao explicar os motivos da viagem. Com sua viagem ao exterior, assim como da presidente Dilma Rousseff e do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, o presidente do Senado, José Sarney, assumiu interinamente a presidência.

Segundo Michel Temer, a conversa com o presidente Cavaco Silva também tratou dos interesses de empresas brasileiras nas privatizações portuguesas, da presença de estudantes no Programa Ciência sem Fronteiras e da crise econômica em Portugal.

“Recebi com muita satisfação a informação do presidente de que ela [a crise] está logo sendo debelada. Tivemos isso no Brasil e logo conseguimos debelar, tenho certeza que Portugal conseguirá eliminá-la muito proximamente, para a prosperidade de Portugal e das nossas relações”, disse. As previsões do governo português, contidas no Orçamento de Estado, que o presidente Cavaco Silva deve promulgar até o final do ano, são que o país terá recessão no próximo ano.

Edição: Davi Oliveira


Print Friendly

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *