editor

Natal deve elevar propensão ao crédito dos paulistanos

Natal deve elevar propensão ao crédito dos paulistanos

Natal deve elevar propensão ao crédito dos paulistanos

Apesar de expectativa, somente 9,5% pretende contrair financiamento nos próximos três meses, segundo pesquisa realizada pela entidade

São Paulo, 12 de dezembro de 2012 – Apenas 9,5% dos paulistanos pretendem contrair financiamento nos próximos três meses. É o que revela a Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), realizada em novembro pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Apesar da baixa porcentagem, o mês de novembro apresenta uma leve alteração do indicador, que registrou 8,5% de intenção de crédito em outubro. Segundo a Assessoria Técnica da FecomercioSP, a baixa intenção de financiamento nesse mês significa que há um grau razoável de cobertura para eventuais surpresas que ameacem o orçamento doméstico, principalmente quando se leva em conta a baixa média da renda no País.

Nos meses de outubro e novembro a intenção de financiamento ficou abaixo da média do ano e os indicadores de segurança de crédito (cobertura de endividados e não endividados) cresceram, com leve queda em novembro. Pouco mais de 38% dos endividados em novembro possuíam algum tipo de aplicação e quase 54% dos não endividados têm recursos investidos. A poupança é a primeira opção entre os entrevistados que têm algum tipo de aplicação, com 75,5% da preferência, seguida por renda fixa (14,6%), previdência privada (6,7%), ações (0,7%) e outras (2,6%).

Para o Natal, a Assessoria Técnica da FecomercioSP acredita que a tendência é de que haja impulso moderado na propensão ao contrair novos financiamentos e certa redução na cobertura de dívidas com base em poupança familiar, justamente pelo aumento também da intenção de consumo. Em parte essa propensão é atendida pelo 13º salário, porém nem todos os consumidores recebem esses recursos e para muitos que recebem o benefício, o volume não faz frente ao total de gastos.